Todos sabem que mais de 70% das intenções de compra dos sites de e-commerce acabam com os carrinhos abandonados cheios ou até mesmo vazios.

É gente que entra lá para comparar preços, para saber o preço do frete, para tentar comprar, mas acaba ficando em dúvida se leva ou não, se é confiável ou não.

E aí ? Como fazer para este povo não se evadir sem levar nada ? Muitas alternativas tem sido tentadas. Aquele e-mail que você recebe 30 minutos depois pedindo para você confirmar a compra abandonada, aquele banner de “temos em outra cor, você não gostaria de ver?”, aquele chat convencional com alguém lá dizendo “posso lhe ajudar ?”.

Muitos chatbots vem sendo construídos com bibliotecas de IA, plataformas de desenvolvimento de aplicações cognitivas, e sabe-se lá mais que termo se possa usar para chamar a atenção de que “são inteligentes”. Mas são ?

Onde está a inteligência afinal ? Você criou um bot que consegue entender linguagem natural (faz processamento de linguagem natural PLN) quando uma pergunta é digitada ou uma frase é dita, e depois para aquela intenção de busca, recupera um texto fixo ou uma outra frase.

Isto é inteligência ? Tá bom. É. Mas convenhamos... chamar de sistema cognitivo um sistema que reconhece um bom dia e responde com outro bom dia é bem artificial. E se eu der bom dia e forem 18 hs ? Ele responde com “bom dia” ou deveria dizer “Boa tarde, pois já passou do meio dia. Você está atrasado !” ???